“Como se Quatro Olhos Fossem uma Luz”: Fantasias Visuais e Integração Conceptual em As Ondas e Lucialima

  • Rui Miguel Mesquita
Palavras-chave: Virginia Woolf, Maria Velho da Costa, Narratologia Cognitiva, Representação Espacial, Integração Conceptual

Resumo

O romance modernista introduziu uma complexidade nova nos modos narrativos de representação espacial. O propósito deste ensaio é o de chamar a nossa atenção para a forma como, em The Waves (1931), Virginia Woolf sublinha a diferença entre sensação visual e visão e questiona a dimensão estritamente subjectiva da experiência perceptual; uma estratégia narrativa drasticamente nova cujos efeitos podem ser ainda sentidos no romance de Maria Velho da Costa, Lucialima (1983), o qual revela um propósito semelhante de construir uma visão do mundo que não se reduza à acumulação sensorial. Ao mesmo tempo, Lucialima põe em jogo uma possibilidade prenunciada em The Waves, a de uma integração conceptual que registe adequadamente a dimensão estritamente subjectiva da experiência e permita reunir realidade díspares e aparentemente desconexas. As possibilidades da integração conceptual motivam também uma nova abertura à dimensão social tanto do espaço humano como do próprio romance, resolvendo assim alguns dos dilemas do romance de Virginia Woolf.

Como Citar
Mesquita, R. (2013). “Como se Quatro Olhos Fossem uma Luz”: Fantasias Visuais e Integração Conceptual em As Ondas e Lucialima. Cadernos De Literatura Comparada, (28). Obtido de http://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/article/view/29