CADERNOS DE LITERATURA COMPARADA # 46 | Chamada de Artigos

2021-10-25

TEMA: Modernismos Revisitados II: 1922-2022

Em 2022, comemora-se o centenário da Semana de Arte Moderna, consensualmente celebrada como um dos grandes acontecimentos da arte e da literatura brasileiras e considerada o marco fundador do Modernismo no Brasil. Conforme observou Alfredo Bosi, a Semana foi «o ponto de encontro das várias tendências que desde a I Guerra se vinham firmando em São Paulo e no Rio e a plataforma que permitiu a consolidação de grupos», os quais, nos anos seguintes, alterariam significativamente os rumos da produção intelectual do país.

No entanto, ainda que o debate em torno da identidade nacional seja parte essencial do período, não se deve ignorar que o Modernismo, enquanto movimento renovador das artes no primeiro vinténio do século passado, possui, no Brasil e no mundo, características que antecedem a Semana e atravessam-na, passando em seguida por novas transformações. Assim, persiste ainda a necessidade de refletir sobre o início do Modernismo brasileiro à luz de sua relação, por exemplo, com as vanguardas europeias, ou ainda com outros acontecimentos definidores do Modernismo, que decorreram à volta do mesmo ano da Semana.

1922 é, afinal, celebrado no espaço anglo-americano como o annus mirabilis da literatura modernista, assim denominado por reunir a publicação de três das mais importantes obras de língua inglesa do último século: The Waste Land, de T.S. Eliot; Jacob’s Room, de Virginia Woolf; e Ulysses, de James Joyce, publicado no mesmo mês em que decorria a Semana de Arte Moderna. Em 1924, na França, Yvan Goll e André Breton publicam, cada um, o seu próprio Manifeste du Surréalisme, alguns meses após Oswald de Andrade lançar, no Rio de Janeiro, o Manifesto da Poesia Pau-Brasil. Em suma, enquanto movimento mundial, há ainda um vasto campo do Modernismo a ser explorado, que muito pode se beneficiar de uma perspetiva comparatista.  

Assim, este número convida investigadores das mais variadas áreas a submeterem artigos que abordem os Modernismos de diversos países, enfatizando suas particularidades e seus pontos de contato. Ainda que este número dos Cadernos de Literatura Comparada celebre o centenário da Semana de Arte Moderna de 22, tencionamos igualmente reunir textos voltados para o estudo comparatista entre os mais diversos modernismos, bem como abordagens que destaquem o seu caráter interartístico, intermedial e interdisciplinar. Nesse sentido, a revista acolherá artigos que incidam sobre os seguintes eixos, entre outros possíveis:

  • O Modernismo Brasileiro e as Vanguardas Europeias;
  • Outros modernismos comparados;
  • O Espírito de 22 e seu lugar na contemporaneidade;
  • Modernismo e Intermedialidade: literatura, música, pintura, cinema, etc;
  • Géneros e sexualidades no(s) Modernismo(s);
  • Manifestos e revistas literárias modernistas.

Todos os artigos devem ser enviados, por e-mail, para o cadernospreviewjune@gmail.com até 28 de fevereiro de 2022. Os artigos submetidos devem estar de acordo com as normas de publicação dos Cadernos de Literatura Comparada, disponíveis em: https://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/about/submissions

Serão aceites trabalhos inéditos nos seguintes idiomas: português, inglês, espanhol e francês.

Este número 46 dos Cadernos de Literatura Comparada é organizado por:

Joana Matos Frias (ILCML – FLUL)

João Paulo Guimarães (ILCML – FLUP)

Ivana Schneider (ILCML – FLUP)

Daniel Floquet (ILCML – FLUP)

 

(Caso o artigo não esteja de acordo com as Normas de edição da revista, os organizadores do volume poderão recusar o artigo, não o submetendo ao processo de blind peer review)