“Como se Quatro Olhos Fossem uma Luz”: Fantasias Visuais e Integração Conceptual em As Ondas e Lucialima

  • Rui Miguel Mesquita
Palavras-chave: Virginia Woolf, Maria Velho da Costa, Narratologia Cognitiva, Representação Espacial, Integração Conceptual

Resumo

O romance modernista introduziu uma complexidade nova nos modos narrativos de representação espacial. O propósito deste ensaio é o de chamar a nossa atenção para a forma como, em The Waves (1931), Virginia Woolf sublinha a diferença entre sensação visual e visão e questiona a dimensão estritamente subjectiva da experiência perceptual; uma estratégia narrativa drasticamente nova cujos efeitos podem ser ainda sentidos no romance de Maria Velho da Costa, Lucialima (1983), o qual revela um propósito semelhante de construir uma visão do mundo que não se reduza à acumulação sensorial. Ao mesmo tempo, Lucialima põe em jogo uma possibilidade prenunciada em The Waves, a de uma integração conceptual que registe adequadamente a dimensão estritamente subjectiva da experiência e permita reunir realidade díspares e aparentemente desconexas. As possibilidades da integração conceptual motivam também uma nova abertura à dimensão social tanto do espaço humano como do próprio romance, resolvendo assim alguns dos dilemas do romance de Virginia Woolf.

Publicado
2013-06-28
Como Citar
Mesquita, R. M. (2013). “Como se Quatro Olhos Fossem uma Luz”: Fantasias Visuais e Integração Conceptual em As Ondas e Lucialima. Cadernos De Literatura Comparada, (28). Obtido de https://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/article/view/29