“A arte do evento”: acidente, narrativa e forma em La Glace à trois faces, entre Jean Epstein e Paul Morand

Palavras-chave: Cinema e Literatura, Cinema Francês, Jean Epstein, Paul Morand, Primeira Vanguarda Francesa

Resumo

Neste ensaio, atenta-se no modo como, em La Glace à trois faces (1927), Jean Epstein se apropria da complexa estrutura do conto homónimo de Paul Morand para desenvolver uma investigação sobre algumas questões relacionadas com o cinema, em particular com a narrativa cinematográfica. Convocando dois ensaios da autoria do cineasta, cuja publicação acompanhou a estreia do filme, e analisando algumas das sequências cruciais deste, argumenta-se que Epstein trabalha o motivo do acidente (no caso, um acidente de automóvel) de forma a propor uma ideia de cinema enquanto “arte do evento”.

Como Citar
Bértolo, J. (2019). “A arte do evento”: acidente, narrativa e forma em La Glace à trois faces, entre Jean Epstein e Paul Morand. Cadernos De Literatura Comparada, (41), 13-35. Obtido de https://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/article/view/554
Secção
Artigos