Entre o relato e o silêncio: uma análise comparatista das obras 'Maina Mendes', de Maria Velho da Costa e “A terceira margem do rio”, de Guimarães Rosa

Palavras-chave: Maria Velho da Costa, Guimarães Rosa, Literatura Comparada, Silêncio, “A terceira margem do rio”, Maina Mendes

Resumo

Este trabalho pretende desenvolver uma leitura comparatista do romance Maina Mendes (1969), de Maria Velho da Costa, e do conto “A terceira margem do rio”, da coletânea Primeiras Estórias (1962), de Guimarães Rosa. Neste ensaio, busco observar de que maneira as concepções de silêncio e relato em ambas as obras convocam questionamentos acerca da composição dos discursos, nomeadamente, acerca das relações entre linguagem e suspensão da linguagem, oralidade e escrita, prolongamento e ruptura, com ênfase, sobretudo, na temática das relações familiares. Para tanto, tomarei como referência teórica as investigações de David Le Breton sobre o caráter polissêmico do silêncio, os pressupostos de Tito Cardoso e Cunha sobre a retórica do não-dito, bem como o conceito de diálogo oculto de Mikhail Bakhtin.

Publicado
2020-09-20
Como Citar
Schneider, I. (2020). Entre o relato e o silêncio: uma análise comparatista das obras ’Maina Mendes’, de Maria Velho da Costa e “A terceira margem do rio”, de Guimarães Rosa. Cadernos De Literatura Comparada, (42), 105-121. Obtido de https://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/article/view/672