https://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/issue/feed Cadernos de Literatura Comparada 2021-07-05T14:45:23+01:00 Lurdes Gonçalves ilc@letras.up.pt Open Journal Systems <h4><em>Cadernos de Literatura Comparada</em> é publicada pelo <a title="ilcml" href="https://www.ilcml.com/" target="_blank" rel="noopener">Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa</a>.</h4> <p>Privilegiando instrumentos teóricos comparatistas e valorizando perspectivas interartísticas, <em>Cadernos</em> pretende contribuir para o conhecimento da poesia moderna e contemporânea, promovendo a sua leitura crítica no contexto de problemáticas de âmbito transnacional.</p> https://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/article/view/749 Apresentação 2021-07-01T07:42:45+01:00 Gonçalo Vilas-Boas goncalovb@letras.up.pt Isabel Soares isoares@iscsp.ulisboa.pt Jorge Bastos da Silva jmsilva@letras.up.pt <p>A literatura e o jornalismo interseccionam-se de muitas maneiras distintas. Na sua produção e circulação, partilham aspetos que se prendem com um conjunto de tecnologias que têm em comum, e que vão da própria linguagem verbal aos recursos materiais da comunicação manuscrita, impressa e digital. Ao longo dos séculos, muitos autores literários têm sido jornalistas profissionais e aprendido com este ofício – e vice-versa. As publicações periódicas oferecem informação regular sobre a atividade literária, mesmo quando esta não constitui o seu objeto principal, e há diversas que se especializam no acompanhamento da escrita literária recente ou mais antiga por meio de recensões críticas, entrevistas, etc. Ao mesmo tempo, o jornalismo literário, entendido como um género específico de narrativa não-ficcional longa, ou jornalismo escrito com laivos de literatura, ganhou lugar de destaque e constituiu um cânone de autores reconhecidos, ganhando mesmo um Nobel.</p> 2021-06-30T00:00:00+01:00 Direitos de Autor (c) 2021 Cadernos de Literatura Comparada https://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/article/view/750 Nas Raízes do Jornalismo Literário: Números Escolhidos de 'The Spectator' (Londres, 1711-1714), Seleção, Tradução e Aparato Crítico 2021-07-01T07:42:46+01:00 Jorge Bastos da Silva jmsilva@letras.up.pt <p>Procede-se à apresentação de um conjunto seleccionado de artigos do periódico <em>The Spectator</em> (Londres, 1711-1714), da autoria de Joseph Addison e Richard Steele, em tradução portuguesa. A introdução frisa a importância destes artigos no desenvolvimento da forma do ensaio periodístico e caracteriza-os nalguns dos seus aspectos principais, como sejam a criação de personagens e o uso de máscaras, o objectivo de formar (o gosto, o carácter, a conduta) mais do que informar, o distanciamento estabelecido relativamente a comprometimentos político-partidários, a presença de ensaios críticos sobre a literatura e outras artes, e a relação do periódico com a cultura literária do Classicismo.</p> 2021-06-30T00:00:00+01:00 Direitos de Autor (c) 2021 Cadernos de Literatura Comparada https://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/article/view/751 'The Prisoners, Mothers Behind Bars' by Isabel Nery: Portuguese Literary Journalism at Its best 2021-07-01T07:42:46+01:00 Rita Amorim ramorim@iscsp.ulisboa.pt Raquel Baltazar rbaltazar@iscsp.ulisboa.pt <p>A “história de interesse humano como parábola social” (Kerrane 1997: 17) é a pedra angular do livro de Isabel Nery, As Prisioneiras, Mães atrás das Grades (2012). É uma homenagem a pessoas comuns com vidas extraordinárias, uma característica relevante do jornalismo literário (Sims 1995: 3). Durante meses, Nery sentou-se, observou, ouviu e conversou com as mães presas de duas prisões em Portugal, Tires e Santa Cruz do Bispo, e em Rhode Island nos Estados Unidos. A autora conta as suas histórias e dá voz aos seus pensamentos e sentimentos na tentativa de desvendar e resgatar a dignidade da vida humana. O relato de imersão e um ponto de vista crítico resultam num testemunho impactante da dura realidade da maternidade e da infância na prisão e na experiência de liberdade restrita onde a ausência de sol, alegria e cuidado são profundamente sentidas. Nery é uma jornalista literária que revela o estado emocional da natureza humana feminina atrás das grades, onde sobrevivência, (re)adaptação e culpa andam de mãos dadas com o desespero da falta de preocupação humana por parte do outro.</p> 2021-06-30T00:00:00+01:00 Direitos de Autor (c) 2021 Cadernos de Literatura Comparada https://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/article/view/752 A Reporter Without Borders: Tennessee Williams’s Literary ‘War’ Journalism, 1928 2021-07-01T07:42:46+01:00 John S. Bak john.bak@univ-lorraine.fr <p>Alavancando-se nos denominados estudos de fronteira (border studies), este artigo examina os dilemas epistemológicos da literatura de viagens na intersecção do jornalismo literário uma vez que uma e outro implicam o cruzamento de fronteiras físicas (geopolíticas) e conceptuais (textuais e de género). Como estudo de caso, o artigo analisa os relatos de viagem escritos pelo dramturgo norte-americano Tennessee Williams durante o seu “Grand Tour” pela Europa em 1928 quando tinha apenas dezassete anos. Trata-se de um exemplo raro do encantamento do autor com o jornalismo literário numa época em que o jornalismo designado objetivo se estabelecia como norma na imprensa. Estes escritos de viagem, publicados em dez números no jornal da escola nos meses após o seu périplo europeu, oferecem uma janela de observação não só para o futuro artístico de Williams mas também para a sua luta em distanciar o factual da representação ficcional. Confrontando tanto as suas primeiras cartas como as suas memórias mais tardias relativas a conteúdo de viagem, este artigo socorre-se de metodologias dos estudos de fronteira a fim de negociar a divisão delicada que separa o facto verificável da ficcionalização permitida no jornalismo literário. </p> 2021-06-30T00:00:00+01:00 Direitos de Autor (c) 2021 Cadernos de Literatura Comparada https://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/article/view/753 Explaining Michael Lewis: Literary Form and Behavioral Economics in 'The Undoing Project' (2017) 2021-07-01T07:42:46+01:00 Christopher Wilson christopher.wilson@bc.edu <p>This essay is concerned with the literary dimensions of Michael Lewis’s <em>The Undoing Project</em> (2016), a journalistic depiction of the famous intellectual collaboration of Amos Tversky and Daniel Kahneman. Tversky and Kahneman are the Israeli psychologists whose work provided a new theoretical understructure for what is now called “behavioral economics,” which has challenged norms of thinking that have longed presumed that consumer or business markets perform based on individuals’ rational assessment of their own self-interest. The current public perception of Lewis is to see him as the master of the so-called explainer, the newswriting mode that supposedly draws from the Anglo-American journalistic traditions of realism and “plain speaking” transparency; the explainer itself has become more prominent across media platforms (e.g. in podcasts) in the U.S. in recent decades. However, what this interpretation of Lewis’s writing overlooks, in the case of the <em>Undoing Project</em>, is the polyglot assemblage of literary and cultural debts Lewis mobilizes – from Charles Dickens and Mark Twain, American vaudeville and Yiddish humor, Voltaire and romantic comedy – to plot his explainer in the form of a love story. Through this literary strategy, moreover, Lewis tries to self-reflexively incorporate the theories behind behavioral economics into his own storytelling. In doing so, however, Lewis also confronts the ambiguous role that those theories play in contemporary history and, especially, U.S. political governance.</p> 2021-06-30T00:00:00+01:00 Direitos de Autor (c) 2021 Cadernos de Literatura Comparada https://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/article/view/754 Os Lugares na Obra Jornalística e Literária de Luís Fernando: Crónicas e 'Silêncio na Aldeia' 2021-07-01T07:42:46+01:00 Alice Donat Trindade atrindade@iscsp.ulisboa.pt <p>Luís Fernando é um autor contemporâneo angolano que se dedica ao Jornalismo e à Literatura. Nas duas configurações de escrita que pratica dedica especial atenção ao relacionamento entre os indivíduos e o seu local de residência, costumes e tradições. O objetivo do artigo é analisar a forma como, em texto jornalístico-literário ou literário são dirimidas as tensões e colaborações entre esses construtores da geografia humana, verificando se existem diferenças substanciais entre as representações desses relacionamentos nos diferentes textos. Usando uma metodologia qualitativa, de análise de conteúdo, verifica-se que não existem diferenças substanciais, recorrendo o autor mesmo a temáticas comuns e a realces de tópicos semelhantes nos dois tipos de escrita.</p> 2021-06-30T00:00:00+01:00 Direitos de Autor (c) 2021 Cadernos de Literatura Comparada https://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/article/view/755 Considerações Sobre o Olhar no Jornalismo Literário 2021-07-01T07:42:46+01:00 Diogo de Hollanda diogodehollanda@yahoo.com.br <p>Este artigo tem como objetivo analisar um aspecto recorrente em livros que exploram as fronteiras do jornalismo e da literatura. Trata-se de um duplo gesto em relação ao olhar. Um gesto que, de diferentes maneiras, valoriza o olhar do narrador, mas ao mesmo tempo reconhece suas limitações. Esta declaração simultânea de potência e insuficiência pode ser observada em um amplo espectro de autores das mais diversas procedências, mas aqui proponho examiná-la em três escritoras latino-americanas: a brasileira Eliane Brum e as argentinas Leila Guerriero e Selva Almada.</p> 2021-06-30T00:00:00+01:00 Direitos de Autor (c) 2021 Cadernos de Literatura Comparada https://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/article/view/756 De Qué Hablamos Cuando Hablamos de Crónica Contemporánea en América Latina 2021-07-01T07:42:46+01:00 Julieta Viú Adagio julietaviu@gmail.com <p>El campo de la crónica contemporánea en América Latina se encuentra hegemonizado por el llamado “Periodismo narrativo” que se propone narrar el presente sobre la base de investigaciones periodísticas. En un posicionamiento distinto y sin agruparse bajo ninguna denominación, una serie de escritores abocados a la crónica breve presentan un punto de convergencia en la filiación a la crónica modernista. La coexistencia de ambos posicionamientos provoca disputas en relación con las temáticas, los abordajes, los procedimientos narrativos y los posicionamientos autorales, en otras palabras, con la tradición cultural y literaria moderna. El binomio literatura/periodismo, nodal para el género, a partir de dichas pujas se ubica en el centro de la escena. Es por ello que, en el presente artículo, pretendemos iluminar la cuestión de la autodenominación, la obra literaria en juego y la concepción del lenguaje.</p> 2021-06-30T00:00:00+01:00 Direitos de Autor (c) 2021 Cadernos de Literatura Comparada https://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/article/view/758 Leopardi nas Crónicas Jornalísticas Brasileiras de 1881 a 1916 2021-07-01T10:38:25+01:00 Andréia Guerini andreia.guerini@gmail.com Ingrid Bignardi ingridbignardi@gmail.com <p>A crônica é um gênero textual que se difundiu no Brasil no século XIX nas páginas de jornais e revistas e foi um dos gêneros responsáveis por fazer circular autores estrangeiros no sistema cultural brasileiro, como o italiano Giacomo Leopardi (1798-1837). Por isso, o objetivo deste artigo é verificar, em base aos pressupostos da tradução cultural (Burke/Hsia 2009), como Leopardi transpassou fronteiras e foi apresentado no Brasil em algumas crônicas jornalísticas, publicadas entre o final do século XIX e a primeira metade do século XX, mais especificamente de 1881 a 1916, e disponíveis na Hemeroteca Digital Brasileira. A partir da análise de 12 crônicas, que foram escritas predominantemente por homens e publicadas no eixo Rio de Janeiro/São Paulo, percebe-se que há uma tendência dos cronistas em divulgar o poeta Leopardi, “traduzindo” e ressignificando o aspecto “patriótico” da sua obra, e, principalmente, os aspectos da “filosofia pessimista” do autor, seguindo parte da crítica italiana da época. Além disso, as crônicas analisadas exercem uma dupla função no processo de tradução cultural, a do preenchimento de lacunas temáticas e a da difusão das obras leopardianas.&nbsp;</p> 2021-06-30T00:00:00+01:00 Direitos de Autor (c) 2021 Cadernos de Literatura Comparada https://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/article/view/759 Entre a Literatura e o Jornalismo: Itinerários do Escritor Baiano Anísio Melhor (1885-1955) 2021-07-01T15:05:50+01:00 Ionã Carqueijo Scarante ionascarante@hotmail.com <p>Anísio Melhor nasceu na cidade de Nazaré, situada no Recôncavo da Bahia, no dia 07 de maio de 1885. Da leitura de sua obra, mais importante fonte de informações encontradas sobre o escritor, percebe-se que o jornalismo e a sua vida mesclam-se. Autodidata, foi nos jornais que dirigiu e colaborou que se revelou poeta, romancista, contista, crítico literário, folclorista e cronista. Dentre os gêneros literários que publicou em periódicos, as crônicas são os textos que mais evidenciam o seu <em>modus scribendi</em>, bem como apontam pistas de seu percurso intelectual e de sua evolução como escritor. Em alguns de seus textos, discorre sobre o trabalho solitário do jornalista, aliando aos seus escritos as suas vivências enquanto leitor de jornais dos mais variados e, especialmente, enquanto jornalista da sua pequena cidade. Segundo o escritor, o jornal de interior valoriza cada leitor de sua cidadezinha, conhece seu público muito de perto, anota dia a dia os acontecimentos: ora é a crônica de cunho social, ora é o comentário sobre os falecimentos, ora é a poesia telúrica, ora é o nascimento de mais uma criança, ora é o capítulo de mais uma novela ou romance. Assim, no jornal que fundou e dirigiu por algumas décadas, <em>O Conservador</em> (1912-1945), (re)construía, a cada dia, a história da sua gente, registrava as suas tradições, histórias e memórias. As pesquisas realizadas em acervos literários para a composição deste artigo contribuíram para reavivar a memória deste escritor e divulgar a sua produção literária e seu trabalho como jornalista.</p> 2021-06-30T00:00:00+01:00 Direitos de Autor (c) 2021 Cadernos de Literatura Comparada https://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/article/view/760 As ‘Vanguardas Futuristas’ Brasileiras: O Embate Literário nos Periódicos dos Anos de 1920 2021-07-03T21:54:48+01:00 Letícia Gonzaga Chacon leticiagonzagachacon@gmail.com Priscila Renata Gimenez ilc@letras.up.pt <p>O presente artigo tem como objetivo o estudo da relação que se estabeleceu no Brasil entre os periódicos do início do século XX e o Movimento Modernista. A finalidade do trabalho é demonstrar como a imprensa periódica, enquanto suporte democrático e espaço público, contribuiu para a propagação do movimento e para o seu estabelecimento no cenário cultural brasileiro. A hipótese norteadora do trabalho consiste em afirmar que o caráter polêmico e conflituoso das notícias que circulavam na imprensa, antes mesmo da realização da Semana de Arte Moderna (1922), deve ser considerado como um instrumento da divulgação do movimento. Para tanto, serão analisados os conteúdos de notícias e críticas literárias de diferentes periódicos que antecedem o acontecimento da Semana de Arte Moderna, enfatizando a relação que se estabeleceu entre as publicações e suas respectivas reverberações sobre o Modernismo brasileiro.</p> 2021-06-30T00:00:00+01:00 Direitos de Autor (c) 2021 Cadernos de Literatura Comparada https://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/article/view/761 Horizontes Comerciais, Políticos e Literários na Imprensa de Floriano Entre os Anos de 1902 e 1921 2021-07-01T23:09:34+01:00 Daniel Castello Branco Ciarlini danielciarlini@frn.uespi.br <p>Os primeiros vinte anos do século XX foram de grande transformação à cidade de Floriano, considerada, na época, um dos polos ativos do comércio importador-exportador do estado do Piauí, no <em>hinterland </em>do Brasil. Nesse recorte histórico o periodismo jornalístico e literário surgiu e testemunhou as mudanças de hábito de sua sociedade, que assistia à chegada dos ares modernos. Favoráveis a essa transformação, as conjunturas comercial e política operadas pelo Partido Republicano, sobremodo entre os anos de 1916 e 1924, foram responsáveis por formar no município um dos significativos circuitos literários do estado e, consequentemente, se vivenciasse em redações de jornais e agremiações literárias eventualidades culturais, bem como aparelhos de sociabilidade como teatro, cinema e clubes – índices de uma vida literária relativamente ativa. Este artigo analisa essas mudanças e suas resistências, partindo do ano de 1902, quando é fundado o primeiro periódico na cidade, ao ano de 1921, fim da primeira fase do jornal mais importante do período, <em>O Popular</em>.</p> 2021-06-30T00:00:00+01:00 Direitos de Autor (c) 2021 Cadernos de Literatura Comparada https://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/article/view/762 O Jornalismo de Sylvio Floreal em 'A Coragem de Amar': Texto, Contexto e Pretextos 2021-07-02T00:54:21+01:00 Rafael Rodrigo Ferreira rafaelrodferreira@gmail.com <p>O momento referendado como Primeira República (1889-1930) pela periodização política brasileira marcou, como se sabe, de modo transversal o processo de profissionalização dos escritores, assim como da esfera literária em geral. O jornalismo, por sua vez, ao abrir caminho enquanto instância econômica, fazendo da notícia, muitas vezes incorporada pela literatura, um objeto de consumo, torna-se, não sem contradições, uma das mais importantes ferramentas para o exercício autonômico da escrita criativa. É a partir desse contexto que abordamos a trajetória do escritor santista Sylvio Floreal, pseudônimo de Domingos Alexandre (1893-1928), a quem a luta para ocupar um lugar nas letras em uma metrópole que se industrializa a toque de caixa, em meio a convulsões sociais de diversas ordens, como é o caso da cidade de São Paulo, torna-se decisiva, ao ponto de ganhar espaço e tratamento em sua produção. De igual maneira, sob a continuidade entre jornalismo, capitalismo e literatura, o romance <em>A Coragem de Amar</em>, publicado em 1924 e reeditado em 1925, será analisado em diálogo com os discursos sobre a modernidade próprios da época, os quais se manifestaram de maneira complexa e determinante para a nossa história cultural, ecoando até os dias atuais.</p> 2021-06-30T00:00:00+01:00 Direitos de Autor (c) 2021 Cadernos de Literatura Comparada https://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/article/view/763 Genres of Cultural Journalism: Theatre Review 2021-07-02T03:09:40+01:00 Carmen Neamtu carmen_neamtu2000@yahoo.com <p>Este artigo aborda o jornalismo cultural e os seus géneros principais. Após uma breve análise destes últimos, debruçar-me-ei sobre a crónica teatral, tentando caracterizar o seu tipo de escrita e descrever os principais passos envolvidos na redacção de uma recensão teatral. Baseando-me nos meus 23 anos de experiência da imprensa generalista diária e da imprensa cultural especializada (na revista cultural da União dos Escritores Romenos, <em>ARCA</em>), sustento que o segredo de qualquer recensão teatral reside no equilíbrio entre a informação transmitida e o comentário do jornalista, entre o elemento noticioso e o argumento exposto. Exprimindo um juízo pessoal, e portanto subjetivo, o artigo pode gerar insatisfação junto de encenadores, atores, cenógrafos, etc., que nem sempre concordam com o veredicto do jornalista. O meu artigo oferece diversos exemplos pessoais de modos de abordar o espetáculo teatral e de situações com as quais me confrontei ao longo do tempo, com vista a lançar luz sobre a escrita da recensão teatral. No plano estilístico, tentarei examinar de que modo a recensão teatral difere da cobertura jornalística geral. O estilo editorial da recensão pode circunscrever-se ao estilo jornalístico, tendo ao mesmo tempo uma dimensão estética acentuada, o que a aproxima da linguagem da literatura.</p> 2021-06-30T00:00:00+01:00 Direitos de Autor (c) 2021 Cadernos de Literatura Comparada https://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/article/view/764 Fiction, Science, Journalism: Hybrid Narrative Paths for Our Challenging Present 2021-07-02T11:29:09+01:00 Roberto Laghi roberto.laghi@alumni.univ-avignon.fr <p>In this article I will explore the hypothesis that hybrid narrative forms (consisting of journalism, fiction and scientific knowledge) can be more effective in the task of narrating the present of the so-called Anthropocene, marked by the climate crisis and the consequences of neoliberal politics. As a first and fundamental step, I underline the need for a critical work on the language that dominates our societies, through the analysis of <em>Personne ne sort les fusils</em> by Sandra Lucbert. I then briefly consider the role that scientific information and its popularization can play in the hybridization of narrative forms, taking as an example the short story by Ted Chiang “The Evolution of Human Science”. I conclude by analysing <em>Storie della grande estinzione </em>by the Italian collective author TINA, which, with its coexisting different forms of fiction, essay, popular science and critical theory, is not only a clear example of this hybridization but also provides an important mythopoetic dimension based on these same forms.</p> 2021-06-30T00:00:00+01:00 Direitos de Autor (c) 2021 Cadernos de Literatura Comparada https://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/article/view/765 Journalism and the Black Short Story in English in Twentieth-Century South Africa: From R. R. R. Dhlomo to Miriam Tlali 2021-07-02T16:00:36+01:00 Marta Fossati marta.fossati@unimi.it <p>In the present article I seek to discuss, following a diachronic approach, the close-knit relationship that can be found between journalistic discourse and the genre of the short story in Anglophone South African literature over a time span of fifty years, between the late Twenties and the Eighties. In particular, I intend to explore this genre negotiation by close reading selected short stories and/or newspaper articles by four non-white South African writers: R. R. R. Dhlomo, Can Themba, Alex La Guma, and Miriam Tlali. The intersections between the two different genres and discourses in these hybrid texts can be identified at the level of both content and form. A close reading of selected short stories and/or articles may call for a revaluation of this “South African New Journalism” as a creative experimentation that challenges conventional generic categorisations.</p> 2021-06-30T00:00:00+01:00 Direitos de Autor (c) 2021 Cadernos de Literatura Comparada https://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/article/view/766 Da Criação Literária Universitária como Contra-hegemonia ao Estado Novo: O Caso da 'Via Latina' (1958-1962) 2021-07-02T21:55:53+01:00 Pedro Réquio pedrorequio@hotmail.com <p>Este artigo tem como propósito avaliar a criação e difusão literária dos estudantes da Associação Académica de Coimbra (AAC) durante o período compreendido entre 1958 e 1962. A cronologia eleita é justificada pela candidatura de Humberto Delgado às eleições presidenciais de 1958, que traz consigo a politização de diversos setores da sociedade, e pela primeira crise académica, de 1962. <strong>&nbsp;</strong>Na revista da AAC, <em>Via Latina</em>, foram publicados, durante o período mencionado, bastantes contos e ensaios literários de estudantes universitários. Esta produção denota uma clara influência das correntes artísticas que então dominavam o panorama cultural português. Inspirados pelo neorrealismo e pelo existencialismo, bem como por ensejos políticos democratizantes, estes autores levaram a cabo uma transformação do panorama cultural universitário e coimbrão. Para uma análise mais rica, a <em>Via Latina</em> é comparada com outras revistas académicas da época. Este artigo recorreu a entrevistas feitas a membros da revista.</p> 2021-06-30T00:00:00+01:00 Direitos de Autor (c) 2021 Cadernos de Literatura Comparada https://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/article/view/767 O Centenário de Eça de Queirós na Imprensa 2021-07-02T23:04:16+01:00 Breno Góes brenocesargoes@gmail.com <p>Este artigo busca realizar uma análise não extensiva daquilo que foi escrito na imprensa portuguesa sobre Eça de Queirós na altura do seu primeiro centenário de nascimento, em 1945. São analisados escritos de intelectuais e ideólogos portugueses como António Ferro, António Eça de Queiroz, Vieira de Almeida e Rocha Martins publicados em jornais como o <em>Diário de Notícias</em>, <em>A República</em> e <em>As Novidades</em>. O objetivo do texto é analisar até que ponto, no contexto ditatorial em que se deu o centenário queirosiano, o debate sobre autor oitocentista tornou-se um substituto para os debates interditados pelas várias formas de repressão que dominavam a esfera pública portuguesa.</p> 2021-06-30T00:00:00+01:00 Direitos de Autor (c) 2021 Cadernos de Literatura Comparada https://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/article/view/768 [Depoimento] 2021-07-02T23:45:29+01:00 Arnaldo Saraiva asaraiva@letras.up.pt <p>Não é preciso ser profeta para proclamar que as revistas e os jornais serão ainda por longos anos instrumentos fundamentais para garantir a democracia, a saúde e o progresso de qualquer pequena ou grande comunidade.</p> 2021-06-30T00:00:00+01:00 Direitos de Autor (c) 2021 Cadernos de Literatura Comparada https://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/article/view/769 [Depoimento] 2021-07-03T00:02:15+01:00 Fernando Guimarães ilc@letras.up.pt <p>.</p> 2021-06-30T00:00:00+01:00 Direitos de Autor (c) 2021 Cadernos de Literatura Comparada https://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/article/view/770 Jornalismo e Literatura: um encontro para (des)encontrar 2021-07-03T00:23:33+01:00 Nassalete Miranda ilc@letras.up.pt <p>.</p> 2021-06-30T00:00:00+01:00 Direitos de Autor (c) 2021 Cadernos de Literatura Comparada https://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/article/view/771 Memória e Resistência: A Ditadura Brasileira em 'K. – Relato de uma Busca', de Bernardo Kucinski 2021-07-03T23:11:33+01:00 Carolina Barbosa Lima e Santos ilc@letras.up.pt Andre Rezende Benatti ilc@letras.up.pt <p>Propomos, neste trabalho, uma análise sobre <em>K. – relato de uma busca</em>, de Bernardo Kucinski. Privilegiamos, em nossa leitura, os aspectos voltados ao resgate da memória da ditadura militar brasileira pós-64. O romance em questão narra a história de K., um pai que busca pela filha&nbsp; misteriosamente desaparecida em 1974. Partindo da compreensão de que o autor se vale de um forte substrato do real para tecer a sua narrativa, desenvolvemos um estudo atento tanto à estética quanto ao cunho testemunhal deste discurso. Para tanto, valemo-nos da teoria sobre memória proposta por Maurice Halbwachs e Ecléa Bosi, de ensaios de Márcio Seligman-Silva sobre a literatura de testemunho e das reflexões de Alfredo Bosi sobre a literatura como uma possível forma de resistência.</p> 2021-06-30T00:00:00+01:00 Direitos de Autor (c) 2021 Cadernos de Literatura Comparada https://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/article/view/772 Gonçalo Cadilhe nos trilhos de Santo António em Portugal: intimidades de um olhar em 'Por Este Reino Acima. No primeiro trekking da História de Portugal' 2021-07-05T11:28:25+01:00 Dulce Soares ilc@letras.up.pt <p>Figura sobejamente conhecida no palco da literatura de viagens portuguesa contemporânea com já quinze obras publicadas, Gonçalo Cadilhe centra-se em questões de natureza identitária, imagológica, espacial, textual e ontológica, recorrendo quase sempre ao formato da crónica jornalística, entre outras formas breves. &nbsp;Trata-se, pois, de um autor cuja escrita decorre de um trabalho com uma referencialidade espacial estruturante no texto de viagem, resultante de um olhar que se pousa sobre uma geografia física e humana. Assim, partindo da obra <em>Por este reino acima. No primeiro </em>trekking<em> da História de Portugal </em>(2020), procuro problematizar o seu olhar sobre o interior do Portugal atual, ao longo da sua caminhada nos passos do jovem Santo António, visando recolher não apenas as imagens do país, bem como sublinhar a sua estreia pelas malhas da narrativa ficcional, já que o livro centra-se no primeiro <em>trekking</em> de um escritor português pelos territórios geográficos lusos e pela metaficção historiográfica, na recriação da biografia de Santo António num trajeto pelo espaço textual onde se ergue uma escrita porosa, apostando na convergência entre o real e a ficção ou tão só numa “frictional literature” (Ette 2003:31).</p> 2021-06-30T00:00:00+01:00 Direitos de Autor (c) 2021 Cadernos de Literatura Comparada https://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/article/view/773 O cavo amor e seus ruídos 2021-07-05T13:17:44+01:00 André Luís Valadares de Aquino alvdeaquino@gmail.com <p>Estudo sobre a relação de “mestria desviante” entre as obras de poesia de Carlos Drummond de Andrade e de Max Martins. Para tanto, compreende algumas linhas de força emblemáticas na poesia de Drummond em convergência e metamorfose na poesia de Max, no fim de 1940 e início de 1950. Segundo Benedito Nunes, no ensaio "Max Martins, Mestre-Aprendiz" (2001), a poesia de Drummond foi decisiva na formação da poesia de Max. É dominante no conjunto dos ciclos e no movimento descontínuo da obra de Max, como Benedito Nunes compreende a sucessão dos livros, o amor como procedimento erótico-erosivo, tópica fundamental da sua aprendizagem do desaprender em relação à poesia de Drummond.</p> <p>&nbsp;</p> 2021-06-30T00:00:00+01:00 Direitos de Autor (c) 2021 Cadernos de Literatura Comparada https://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/article/view/774 Gomes, Catarina (2020), 'Coisas de Loucos: O que eles deixaram no manicómio', Lisboa, Tinta da China 2021-07-05T13:56:53+01:00 Marta Soares msoares@iscsp.ulisboa.pt <p>.</p> 2021-06-30T00:00:00+01:00 Direitos de Autor (c) 2021 Cadernos de Literatura Comparada https://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/article/view/775 Aciman, André (2021), 'Homo Irrealis: Essays'. London, Faber & Faber Limited. 2021-07-05T14:17:19+01:00 Joana Caetano joanacaet@gmail.com <p>.</p> 2021-06-30T00:00:00+01:00 Direitos de Autor (c) 2021 Cadernos de Literatura Comparada https://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/article/view/776 'O regresso de Júlia Mann a Paraty' de Teolinda Gersão: refrações miméticas e jogos intertextuais 2021-07-05T14:45:23+01:00 José Eduardo Reis jereis@utad.pt <p>.</p> 2021-06-30T00:00:00+01:00 Direitos de Autor (c) 2021 Cadernos de Literatura Comparada